Pages

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Desmentido do boato (ridículo) sobre Lula e Friboi só sai na imprensa estrangeira.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150730_wesley_ru
BBC Brasil - Pedi para um taxista me trazer na JBS e ele perguntou: A empresa do Lulinha? Qual a origem desses rumores?
.
Batista - (Risos) Vamos ter de fazer uma reunião com taxistas, porque já ouvi isso de muita gente. Talvez organizar um evento com o sindicato para eles pararem com essa palhaçada. Essa conversa é absurda e sem nexo. É difícil dizer de onde saem (esses rumores). A impressão que temos é que foram plantados em campanhas por adversários políticos (do PT)...
Assim começa a entrevista de Ruth Costas da BBC Brasil (sucursal da BBC britânica) com Wesley Batista, um dos donos da JBS-Friboi.

A gente acha até ridículo esse boato. E de tão absurdo que é, a gente acha que ninguém acredita, a não ser os leitores da revista Veja que relincham.

Mas tem gente como esse taxista que acaba envenenado e acreditando.

Foi preciso a BBC Brasil tocar no assunto para o desmentido do boato chegar à imprensa corporativa.

Segue a íntegra da matéria abaixo:

Dilma entrega 2932 casas e "O Globo" tem surto psicótico.

Junte tudo isso:

A presidenta Dilma entregou 2,9 mil casas do Minha Casa, Minha Vida (e disse que a meta é chegar a quase 7 milhões de moradias no Brasil até 2018);

Na cidade de Maricá (RJ) cujo prefeito, Washington Quaquá, é do PT;

Em dois conjuntos residenciais, um deles com o nome do mártir revolucionário socialista Carlos Marighela;

Agora coloque essas informações todas na mão de um jornal de extrema-direita, filhote da ditadura, como "O Globo", e não podia dar outra coisa: surto psicótico!

O jornal fez uma reporcagem psicótica, dizendo que o conjunto não tinha luz, não tinha água, não tinha nada. Tudo mentira do jornal (até as fotos da rede elétrica desmentem).

Uma nota da Caixa Econômica Federal e do Ministério das Cidades desmentiu:

CAIXA e Ministério das Cidades respondem matéria do Jornal O Globo

​Com relação à matéria “Minha casa, meus problemas”, publicada na edição desta sexta-feira (31), o Ministério das Cidades e a Caixa Econômica Federal esclarecem que as informações não procedem e são divergentes ao que foi apresentado ao jornal O Globo durante coletiva de imprensa sobre a entrega dos empreendimentos realizada na data de ontem (30), no município de Maricá (RJ).

Cabe esclarecer que foi informado ao jornal O Globo que a ligação da rede de energia elétrica do conjunto Carlos Marighella estava completamente normalizada e pronta para uso dos beneficiários. Foi explicado que, para tanto, o morador deve solicitar o ligamento do serviço à empresa concessionária, como ocorre em toda nova residência que acaba de ser entregue pela construtora.

Durante a entrevista também foi informado que o fornecimento de água também está concluído e em funcionamento. E que ontem (30) houve interrupção do serviço por motivo de um incidente no sistema que afetou o bairro em geral e não apenas o conjunto Carlos Marighella. O jornal recebeu esclarecimento que o problema seria solucionado no mesmo dia, como de fato aconteceu.

Foi esclarecido ainda que a prefeitura já entrou, na Caixa Econômica Federal, com termo aditivo para construção de uma escola básica e de uma creche no terreno mencionado pela reportagem. Esse procedimento está previsto nas normas do Programa Minha Casa Minha Vida. Além disso, foi esclarecido que os moradores não ficarão desassistidos por serviços básicos como saúde e educação, uma vez que, no raio de 2,5 km, já existem equipamentos públicos desta natureza, também conforme preveem as normas do programa federal.

Diante das informações prestadas à reportagem e em respeito aos leitores do jornal, solicitamos a publicação dos esclarecimentos, com a correção das informações divulgadas na matéria citada.

Vídeo registra bomba caseira jogada por fascistas no Instituto Lula.


Um carro passou e jogou uma bomba caseira em frente ao Instituto Lula às 22h18m de ontem. A bomba causou danos, inclusive perfuração na porta da garagem. Não feriu ninguém, mas pelos danos, se uma pessoa estivesse saindo naquela hora poderia ter morrido.

As câmeras de vídeo de segurança do instituto gravaram algumas imagens, mas a resolução dos vídeos divulgados não dá para identificar a placa. Outras câmeras na vizinhança podem ajudar a identificar.

Um carro passou e jogou a bomba. Outro carro vinha atrás e passou em seguida. Provavelmente estavam juntos, pois o primeiro carro não jogaria a bomba naquele momento, se houvesse um carro estranho atrás que pudesse testemunhar.

A polícia civil de São Paulo investiga, mas a Polícia Federal também entrou no caso já que o crime tem natureza de atentado político, de ação paramilitar, ainda que amadora.

Agora Globo abre fogo contra Eduardo Cunha, como estorvo a ser descartado.


Após tratá-lo como queridinho da mídia e blindá-lo para chegar à presidência da Câmara, a Globo já desengana o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e faz pressão em seu noticiário para defenestra-lo da presidência da Câmara. Até o Merval pede a cabeça de Cunha!

Pelo jeito os golpistas já avaliam que Cunha na presidência da Câmara queima o filme do golpe e detona mais ainda a imagem do Congresso, afetando a imagem de parlamentares da oposição - como Aécio - e contamina todo o PMDB. Além disso deixa até mídia em saia justa perante os leitores/telespectadores, sem jeito de continuar a blindagem garantida até aqui.

Para a oposição (nos partidos e na mídia), para o PMDB, Cunha virou aquelas cargas pesadas de avião em pane a serem jogadas ao mar, para o avião não cair.

Ontem o Jornal Nacional o fulminou com uma matéria de mais de 8 minutos sobre a advogada Beatriz Catta Preta, que defendeu 9 delatores da Lava Jato, e disse que abandonou a advocacia devido à pressões vindas da CPI após seu ex-cliente ter falado que pagou US$ 5 milhões de propina para Eduardo Cunha.

A conduta da advogada também é estranha, mas a matéria da Globo não quis nem saber. Carimbou ela como apenas vítima e Cunha como vilão, e pronto.

Como se não bastasse, o Jornal Nacional disparou outro petardo de quase 2 minutos e meio, sobre "Defesa de delator [que disse ter pago propina a Cunha] acusa CPI de atuar para desmoralizar a Lava Jato".

Mas os problemas de Cunha no jornalismo das Organizações Globo não acabaram no Jornal Nacional.

Até o Merval Pereira já pede a cabeça, dizendo "Eduardo Cunha não vai conseguir se safar". Isso escrito no jornal e na rádio CBN. Outra matéria fala em "Lógica de gangue", termo usado pelo advogado de Júlio Camargo, delator de Cunha.

Alguém tem dúvida de que a Globo ajudou a colocar o jabuti Eduardo Cunha em cima da árvore e agora quer tirá-lo?

Bandidos fascistas atentam contra Instituto Lula.

Fascistas são assim: não dão conta de vencer nos argumentos, nas ideias e nas urnas, então querem calar à força os outros.

Só que violência política em plena democracia é coisa de bandido, de psicopata ou das duas coisas juntos.

Nota do Instituto Lula:

Ataque político ao Instituto Lula

Por volta das 22h desta quinta-feira (30), a sede do Instituto Lula, em São Paulo, foi alvo de um ataque político com artefato explosivo. O objeto foi arremessado contra o prédio do Instituto de dentro de um carro. Felizmente, não houve feridos.

O Instituto Lula já comunicou as polícias civil e militar, o secretário de Segurança Pública do Estado de S. Paulo e o ministro da Justiça, e espera que os responsáveis sejam identificados e punidos.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Dilma: "Sei suportar pressão e até injustiça ... Fazemos travessia para voltar a crescer, com empregos".


Dilma mandou bem em seu discurso no encontro com governadores. Eis alguns trechos:

Dilma disse que todos têm um patrimônio em comum: o fato de terem sido eleitos pelo voto democrático e popular. E destacou que todos assumiram um compromisso perante os eleitores para governar até 2018. Disse que todos têm um patrimônio em comum: o fato de terem sido eleitos pelo voto democrático e popular. E destacou que todos assumiram um compromisso perante os eleitores para governar até 2018.

(...) a partir de agosto de 2014, houve um fato importante no cenário internacional, que foi o colapso do preço das commodities. (...) Caiu minério de ferro, caiu soja, caiu petróleo, caíram vários preços que são importantes, em vários estados aqui presentes. Esse colapso no preço das commodities, ele foi acompanhado também por uma grande desvalorização da nossa moeda, com impactos, necessariamente, sobre os preços e sobre a inflação. A taxa de câmbio, ela subiu em torno de 49%, em termos nominais, ou seja, houve uma forte desvalorização das moedas no mundo - e no Brasil não podia ser diferente.

Além disso, a crise internacional continua (...) Agora é a vez da China passar por grandes dificuldades. Tenho certeza que também vai superá-las.

Tudo isso que eu estou falando não é desculpa para ninguém aqui. É o fato que nós, como governantes que somos (...) não podemos nos dar ao luxo de ignorar a realidade.

Eduardo Cunha tem escritório político em cima da UTC


O escritório político do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no centro do Rio de Janeiro, fica no famoso Edifício De Paoli, na Av. Nilo Peçanha, 50, sala 2909. No andar de baixo fica a filial carioca da empreiteira UTC, na sala 2809. Pela numeração, as salas são na mesma coluna, ou seja, o piso do escritório do deputado é o teto do escritório da empreiteira.
Esse  é o tipo de coincidência digamos, desagradável, para o presidente da Câmara no momento atual, já que tanto ele como a empreiteira estão encalacrados na operação Lava Jato... Continue lendo aqui

Vale embarca 27, 5 mi toneladas de minério no ES e registra lucro de R$ 5,14 bilhões


Vale mostra que este é o Brasil de verdade:O lucro líquido apresentado pela Vale de US$ 1,675 bilhão veio 2,5 vezes acima da média das projeções coletadas pelo mercado

O balanço do segundo trimestre divulgado pela Vale nesta quinta-feira (30), mostrando um lucro de R$ 5,1 bilhões - alta de 61,4% em relação ao observado um ano antes, mostra que este é o Brasil de verdade, capaz de se recuperar, se reerguer com seu enorme potencial, conduzido por mãos competentes, como são as de Murilo Ferreira.

Este é o Brasil que os algozes do país querem esconder, que incomoda aqueles que apostam no quanto pior, melhor.

A recuperação da Vale é uma prova concreta do gigantesco potencial que o Brasil tem, queiram ou não queiram os que torcem contra.

A Vale anunciou na manhã desta quinta-feira (30) que teve lucro líquido  de R$ 5,144 bilhões no segundo trimestre de 2015,  o que representa um avanço de 61,4% na comparação anual. Só no Espírito Santo, pelo Porto de Tubarão,  a Vale embarcou 27,5 milhões de toneladas de minério de ferro, entre abril e junho de 2015, 13% acima do trimestre anterior.

No semestre, o volume embarcado foi de 51,9 milhões de toneladas. Já a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) movimentou 37,3 milhões de toneladas no segundo trimestre.

Nos primeiros seis meses do ano, o transporte de minério de ferro e carga geral (aço, grãos, carvão, fertilizantes, entre outros) chegou a 71,5 milhões de toneladas, 3% a mais do que os 69,5 milhões registrados nos seis primeiros meses do ano passado.

Minério de ferro 

Toyota abre até 500 vagas para as fábricas de Porto Feliz e Sorocaba


A Toyota anunciou o processo de contratação de até 500 trabalhadores para as fábricas de Porto Feliz e Sorocaba, ambas no interior paulista. 

"É com muito orgulho que a Toyota, respaldada pela sua visão de negócios com foco na sustentabilidade das operações, demonstra o compromisso com o Brasil, ao criar novas oportunidades de trabalho. Compromisso este que é complementado pelos recentes investimentos já realizados para desenvolvimento da produção local e aprimoramento da qualidade dos veículos da marca", afirmou em nota o CEO para América Latina e Caribe e Chairman da Toyota do Brasil, Steve St. Angelo.

 A maioria das vagas será destinada à planta de Sorocaba, para onde devem ser contratados até 320 novos funcionários. O restante irá para a fábrica de motores de Porto Feliz, cuja inauguração está prevista para o primeiro semestre de 2016. As áreas de atuação das vagas não foram especificadas.

A montadora explicou que o aumento do efetivo em Sorocaba foi motivado pelo incremento de 50% da capacidade produtiva da planta, que passará das atuais 74 mil para 108 mil unidades por ano a partir de 2016 - produção extra que deverá ser destinada, em sua maior parte, para o mercado interno. O aumento foi anunciado em janeiro deste ano pela empresa e vai envolver investimentos de cerca de R$ 100 milhões para ampliação das instalações da fábrica. Na unidade, a Toyota produz o Etios nas versões hatch e sedã. Estadão Conteúdo



Mercado de TI gera 1,3 milhão de empregos no Brasil de janeiro a junho deste ano



Segundo a consultoria Catho, de janeiro a junho deste ano, o número de vagas no setor de Tecnologia da Informação (TI) aumentou 44,2%. Só em junho, foram abertas 10.105 vagas, 3.640 a mais do que junho do ano passado. Dados da Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) mostram que o mercado nacional emprega, atualmente, 1,3 milhão de profissionais de TI e, até 2016, esse número deve aumentar em 30%. A pesquisa revela também que o Paraná possui 9% das instituições de ensino que oferecem cursos da área. O estado fica atrás apenas de Minas Gerais (11%) e São Paulo (27%).

Do total de vagas disponíveis para esses profissionais, 32% estão na cidade de São Paulo, que concentra o maior número de oportunidades. No Rio de Janeiro estão 9,77% das vagas e, na seqüência, estão Porto Alegre (6,23%), Curitiba (4,78%) e Belo Horizonte (3,66%). Os cargos que apresentam a maior demanda são: analista de sistemas, de programação, de suporte técnico, de processos, técnico de telecomunicações, analista de rede, gerente de projetos, administrador de redes, webmaster e técnico de hardware.

Estudo: 78% dos executivos acreditam que digitalizar negócios aumenta receitas

Um estudo global encomendado pela Dell e realizado pelo IDG Research Service, identificou que a Transformação Digital está hoje cada vez mais na pauta das empresas. De acordo com o levantamento, realizado com decisores de diversas áreas de negócio das organizações, 78% dos entrevistados confirmaram que acreditam na Digitalização como uma forma de impulsionar receitas. Quando considerados apenas os gestores de TI, esse mesmo percentual cai para 58%.

O estudo mostra que, por outro lado, 70% dos entrevistados admitem que suas empresas ainda não estão totalmente preparadas para a Transformação Digital e precisam fazer alterações nas atuais estruturas para tirar proveito dessa tendência. Mercantil Negócios


África do Sul terá o primeiro centro regional do Banco do Brics em 2016


Joanesburgo, na África do Sul, será sede do primeiro centro regional do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), ou o Banco do Brics, que passou a operar recentemente em Xangai, na China. O governo sul-africano espera que a implementação do centro impulsione o desenvolvimento da região, levando adiante a agenda de integração do continente. O centro deverá iniciar suas operações ainda no primeiro trimestre de 2016.

- A África subsaariana está entre as regiões de maior crescimento acelerado no mundo. Apesar disso, ainda há enormes desafios de desenvolvimento e infraestrutura que restringem o rápido crescimento econômico. O mais singular sobre o Banco é que ele foi criado por países em desenvolvimento que entendem os desafios do progresso e têm demonstrado sua habilidade em superá-los - explica Nhlanhlan Nene, ministro das Finanças da África do Sul. 

A entidade financeira multinacional foi criada pelos cinco países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e pode se tornar uma alternativa ao FMI (Fundo Monetário Internacional) no financiamento das nações. O Banco do Brics pretende promover uma maior cooperação financeira entre os cinco países líderes, que somam 41,4% da população mundial e mais de 25% do PIB do planeta. E, ao contrário do Banco Mundial, que determina os votos conforme a participação de capital de cada membro, o NBD permitirá um voto por país, sem previsão de vetos.

Ambev investe R$ 1,4 bilhão no Brasil no primeiro semestre de 2015


A Ambev encerrou o primeiro semestre do ano com investimentos de aproximadamente R$ 1,4 bilhão no Brasil. A previsão é de que, até o final de 2015, os investimentos da companhia cheguem até o patamar do que foi realizado em 2014, quando a Ambev investiu o montante recorde de R$ 3,1 bilhões no país.

Além de ter sido aplicado para aumentar a produtividade das cervejarias e aperfeiçoar as operações nos centros de distribuição, os investimentos realizados no primeiro semestre de 2015 também foram direcionados para suportar o crescimento de nossas inovações como Skol Beats Senses e Brahma 0.0% e aumentar a distribuição de garrafas retornáveis que constituem uma opção mais econômica de embalagem para os consumidores.

 Para passar essa fase de cenário macroeconômico adverso, decidimos focar no que está ao nosso alcance. Isso significa continuar investindo no Brasil, em nossas plataformas comerciais e de relacionamento com o consumidor, inovações, embalagens acessíveis, portfolio premium, entre outras iniciativas - afirma o vice-presidente financeiro e de Relações com Investidores da Ambev, Nelson Jamel.

Em SP, prédio do Minha Casa terá serviço de flat



Um antigo depósito de ferro e couro, a dez quadras da Sé, no bairro do Brás, em São Paulo, vai dar lugar, em 2017, a um empreendimento imobiliário inusitado: ele se enquadra no programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal, mas oferece aos moradores serviços de flat, como arrumação e office boy. As unidades de um dormitório, com área de 27 a 39 m², e sem garagem, começam a ser vendidas nesta quinta-feira, 30, a um preço inicial de R$ 171 mil.

Quem desenvolveu o projeto foi a incorporadora Bracon, do empresário Alon Nussbacher, um engenheiro civil que nos últimos 30 anos passou por companhias como Adolpho Lindenberg, Gafisa e Tecnisa. Desde que decidiu empreender no mercado imobiliário, em 2009, Nussbacher desenvolveu dez projetos residenciais em parceria com grandes incorporadoras do setor. O empreendimento do Brás, batizado de BR Caetano, é o primeiro que ele toca sozinho.

Para ter uma faxina simples diariamente, o morador terá de desembolsar, além do valor de condomínio, de R$ 199, uma taxa mensal de R$ 75. A área comum do empreendimento inclui academia de ginástica, piscina, quadra poliesportiva, Wi-Fi, salade festas, espaço gourmet, churrasqueira e bicicletário com bikes elétricas para locação, além de uma lavanderia coletiva.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Brasil sela acordo com Suécia para financiamento dos caças


 Depois de três dias seguidos de intensas reuniões e negociações, o Ministério da Defesa finalmente selou com o banco de fomento sueco SEK os termos para assinatura do contrato de financiamento da compra dos 36 caças Gripen NG entre Brasil e Suécia. Pelo acordo, a direção do SEK aceitou a redução da taxas de juros de 2,54% para 2,19% ao ano no financiamento de 100% do projeto de 39 bilhões de coroas suecas, algo em torno de US$ 5 bilhões.

A economia estimada com a redução dos juros pode chegar a R$ 600 milhões. Com a assinatura do contrato de financiamento, que deve ocorrer em até duas semanas, espera-se que seja encerrada a novela da compra dos novos caças pelo Brasil, que começou em 2001, ainda no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Prefeito do PSDB é suspeito de abrir poços em área de parentes com verba federal


Poço perfurado em terreno do prefeito de Marcos Parente (PI), Manoel Emídio (PSDB)

A cada duas ou três semanas, o lavrador Adaías Alves, 47, se reúne com moradores da Vila Guimarães para pagar um caminhão-pipa e abastecer suas famílias e lavouras. A comunidade rural fica em Marcos Parente (PI), cidade vítima da seca, com 4.500 habitantes.

Embora Adaías reclame que não tem "um pingo d'água", a vila não recebeu nenhum dos 12 poços instalados pela prefeitura por meio de convênio de R$ 1,2 milhão com o governo federal.

Um desses poços, no entanto, foi perfurado em uma propriedade do prefeito Manoel Emídio (PSDB) e ao menos outros sete foram feitos em terrenos ligados ao filho, ao sobrinho, à cunhada, a vereadores da base e amigos do gestor municipal. Os equipamentos instalados pela prefeitura ainda não funcionam.

Em setembro do ano passado, o Ministério Público Federal abriu um inquérito para investigar se o prefeito usou dinheiro público para beneficiar familiares e aliados.Enquanto isso, as parcelas do convênio continuam sendo liberadas à prefeitura. O último repasse, de R$ 360 mil, foi feito em 20 de maio. Até agora, a prefeitura recebeu R$ 840 mil.

À Procuradoria a defesa de Emídio afirmou que, nos lugares onde houve perfurações, os terrenos foram doados –um decreto anunciando a doação foi publicado em novembro de 2013.A Folha, no entanto, teve acesso a uma certidão do tabelionato da cidade que nega a existência de escrituras de doação ou desmembramento dos terrenos apontados no período do convênio. O documento do cartório é do último dia 12 de junho.

Juristas consultados pela reportagem dizem que o decreto é apenas uma "carta de intenção" e não tem validade sem que haja escritura que comprove a doação.Na última divulgação dos IDHs municipais, com dados de 2010, Marcos Parente foi considerada uma cidade de baixo desenvolvimento humano. Na área rural, as famílias são dependentes de abastecimento por meio de poços e caixas-d'água.

Manoel Emídio foi cassado em primeira e segunda instância da Justiça Eleitoral, mas recorreu e aguarda, no cargo, decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).Ele teria, segundo os processos, feito uso eleitoreiro da doação de lotes do programa Minha Casa, Minha Vida.Informações da  Folha

Quanto pior, pior



Marcado para esta quinta-feira (30), o encontro da presidente Dilma Rousseff (PT) com os governadores de todos os Estados adquiriu importância ainda maior com a decisão tomada terça-feira (28) pela agência de classificação de risco Standard & Poor's. 

A companhia norte-americana alterou a perspectiva da nota de crédito do Brasil para negativa, aumentando as chances de o país perder o grau de investimento. Apenas um andar abaixo está a categoria especulativa, em que, aos olhos dos credores, é alta a possibilidade de calotes. 

Nem mesmo os oposicionistas mais aguerridos deveriam desejar essa cereja podre no bolo estragado que se tornou a economia no governo Dilma. Agências como a S&P ficaram desacreditadas depois de 2008, pois não anteviram a crise que se desenhava nos EUA, mas suas avaliações não deixaram de interessar a quem procura porto seguro para o próprio dinheiro. 

A expectativa crescente de que o Brasil venha a perder o atestado de bom pagador já produz efeitos: investidores exigem juros cada vez maiores para compensar os riscos e o dólar bate recordes de alta.
Tanto pior, já se considera que outras duas companhias, a Moody's e a Fitch, podem fazer análise semelhante à da S&P, rebaixando a nota brasileira até o fim do ano. 

Combater esse cenário sombrio deveria ser um objetivo de todos os que se importam com o futuro nacional, mesmo que não deem a mínima para o destino de Dilma. 

Ao expor suas razões, a S&P reconhece mudanças neste segundo mandato da petista, mas afirma que aumentaram as incertezas na política e na economia. Diminuí-las, portanto, é um imperativo.
Tudo se resume, no fundo, à instabilidade da relação entre o Executivo e o Legislativo, agravada pelos desdobramentos da Operação Lava Jato e traduzida no comportamento pernicioso do Congresso. 

Notoriamente incapaz de mobilizar deputados e senadores em torno de uma agenda positiva, a presidente Dilma Rousseff resolveu pedir ajuda aos governadores. Espera que eles convençam suas bancadas a rejeitar projetos que tornem ainda mais penoso o necessário ajuste das contas públicas.
Se mantido estritamente nesses termos, o encontro pode resultar em algo proveitoso. Muitas das medidas que ampliam os gastos têm impacto direto nos cofres estaduais. 

Que fique claro: cobrar responsabilidade dos congressistas não significa aceitar conchavos ou dividir a culpa pelo descalabro atual. Esta cabe só ao governo Dilma, e a oposição decerto teria muito a perder se fosse vista como sócia da crise. 

O país, contudo, terá ainda mais a perder se não houver renovados esforços na busca por soluções. Já se sabe quão venenosa pode ser uma oposição que aposta no lema "quanto pior, melhor". Como atestam as agências de classificação de risco, quanto pior, pior. (Editorial. Folha de São Paulo. Quanto pior, pior)

Moro prende ícone do programa nuclear brasileiro


O engenheiro responsável pelas principais conquistas do programa nuclear brasileiro, vice-almirante R1 Othon Luiz Pinheiro da Silva, presidente licenciado da Eletronuclear, foi preso pela Polícia Federal (PF) na 16ª fase da Operação Lava Jato. Ele é acusado de ter recebido cerca de R$ 4,5 milhões de propina do consórcio vencedor da licitação para execução da montagem da usina nuclear Angra 3, segundo o Ministério Público Federal (MPF) e a PF.

A 16ª fase da Lava Jato, batizada de Radioatividade, foi desencadeada a partir do depoimento do ex-presidente da Camargo Corrêa Dalton Avancini, que assinou acordo de delação premiada com a Justiça Federal após passar mais de 130 dias preso.

Othon Silva é internacionalmente reconhecido por desenvolver a tecnologia brasileira de ultracentifugação para enriquecimento de urânio e foi responsável pelo Programa de Propulsão Nuclear para Submarinos da Marinha brasileira.

Segundo o jornalista Luís Nassif, “o Brasil deve a Othon o maior feito de inovação da sua história moderna – o processo de enriquecimento de urânio através de ultra centrífugas. Foi um trabalho portentoso, que sobreviveu às crises do Governo Sarney, ao desmonte da era Collor, aos problemas históricos de escassez de recursos, enfrentando boicotes externos, valendo-se de gambiarras eletrônicas para contornar a falta de acesso a componentes básicos, cuja exportação era vetada por países que já dominavam a tecnologia”.

Já o jornalista José Augusto Ribeiro, ex-editor de política da TV Bandeirantes e do jornal O Globo, afirmou por sua vez: “Sem querer alimentar teorias conspiratórias, é importante frisar que o almirante Othon Luis Pinheiro da Silva chefiou o programa nuclear da Marinha, que tem como prioridade o projeto de nosso submarino nuclear, necessário para o patrulhamento de nossas águas territoriais e de nossa zona econômica exclusiva no Oceano Atlântico, que inclui a região do pré-sal e a da Bacia de Campos. Será apenas coincidência só prenderem gente ligada a nossas empresas estratégicas (e estatais) como a Petrobras e, agora, a Eletronuclear?” questiona.

Não somente estas. Os procuradores, respaldados pelo juiz Sergio Moro, já anunciaram que o próximo alvo é a construção da usina de Belo Monte.